As novas gerações precisarão pensar soluções inovadoras para cuidar melhor da teia da vida. (Fotografei na Nova Zelândia).

As novas gerações precisarão criar soluções inovadoras para cuidar melhor da teia da vida. (Fotografei na Nova Zelândia).

No século XXI, sob muitos aspectos, vivemos em um mundo inseguro e imprevisível: enfrentamos desastres naturais, ataques terroristas, instabilidade econômica, imprevisibilidade. Precisamos criar estratégias para lidar com tudo isso, desenvolver a habilidade de pensar em soluções para os problemas, em vez de fugir deles. Cuidar dos vínculos na intimidade das famílias e no ambiente escolar constrói bons alicerces para a resiliência – a capacidade de enfrentar as adversidades sem se deixar abater e de encontrar saídas criativas para solucionar problemas.

Um documentário sobre a qualidade da educação na Finlândia, considerada uma das melhores do mundo, mostra que, lá, a escola pública de alta qualidade é oferecida a todas as crianças e adolescentes. O professor atua como um orientador, motivando os alunos a pesquisar e organizar as informações, estimulando as ideias inovadoras, o espírito empreedendor e a inteligência social. Precisamos que as novas gerações criem soluções para os múltiplos problemas que enfrentamos coletivamente, como a ameaça de esgotamento dos recursos naturais, o excesso de poluição e o crescente fluxo migratório, entre outros.

Um documento da UNESCO ressalta o valor da educação, mesmo em condições precárias como as encontradas nos acampamentos de refugiados, para abrir perspectivas de construir um futuro melhor e aliviar o estresse emocional de viver em contextos de grandes perdas e extrema instabilidade.

As novas gerações precisarão redefinir  o modelo de progresso econômico rumo a um desenvolvimento sustentável e integral, como tão bem mostrou o Papa Francisco na encíclica Laudato Si. Criar filhos em um mundo de incertezas significa também consolidar a educação em valores, em especial o respeito pela teia da vida e pela família humana que compartilha a mesma casa planetária, fortalecendo a compaixão e o espírito de partilha.

Uma pesquisa feita em 40 países desenvolvidos pelo Pew Reserch Center revela que, embora os pais desejem um futuro feliz e seguro para seus filhos, a maioria das pessoas entrevistadas acha que as futuras gerações enfrentarão  maiores dificuldades financeiras do que as atuais, considerando o contexto econômico recessivo pelo qual passamos. Isso demandará uma profunda revisão de hábitos de consumo, para que seja possível aprender a viver melhor com menos, como preconizam os adeptos da simplicidade voluntária.

https://www.youtube.com/watch?v=WeMM-hL0KFY&spfreload=1

http://www.unicef.org/teachers/protection/instability.htm

http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/encyclicals/documents/papa-francesco_20150524_enciclica-laudato-si.html

https://agenda.weforum.org/2015/08/how-optimistic-are-parents-about-their-childrens-financial-future/?utm_content=buffer0289d&utm_medium=social&utm_source=twitter.com&utm_campaign=buffer